Página Principal
 

BEPELI

Educação,
Arte e Cultura

E-mails:

bepeli@bepeli.com.br
arte@bepeli.com.br


www.bepeli.com.br


Renascentismo
As Sete Maravilhas do Mundo Antigo
Galeria Bepeli de Artes
Patrocinadores

A Guerra de Kosovo

            No dia 24 de março, na Iugoslávia, iniciou-se uma guerra. De um lado, Kosovo, uma das províncias que constitui a Iugoslávia, lutando pela sua independência, e de outro, o presidente iugoslavo, Slobodan Milosevic, que não quer aceitar tal decisão kosovar.
            Kosovo é uma província que tem uma composição étnica e religiosa diferente da maioria da Iugoslávia, que é sérvia. Os kosovares são de origem albanesa e muçulmana, enquanto os sérvios são cristãos ortodoxos.
            Como 90% da população de Kosovo é albanesa, iniciou-se um movimento gerado pelos kosovares que busca a separação de sérvios e albaneses, para que estes últimos tenham sua própria autonomia.
            Milosevic afirma que considera Kosovo como o berço do nacionalismo sérvio, pois lá, em 1389, eles foram derrotados pelos invasores do Império Otomano. O presidente também argumenta que quer evitar que a Iugoslávia perca mais territórios do que já ocorreu no começo dos anos 90. E por tais razões, não quer ceder liberdade ao povo kosovar.
            A OTAN, alegando motivos humanitários e buscando evitar uma limpeza étnica (se refere a expulsão ou eliminação de uma etnia de um determinado território) promovida pelo Milosevic para expulsar os kosovares, de etnia albanesa, e fazer dos sérvios a maioria em Kosovo, interviu na guerra e obrigou Milosevic a aceitar o acordo de Rambouillet, que propõe autonomia administrativa e cultural para a província de Kosovo, mas sem independência (já que a OTAN e seus aliados temem que outras regiões acabem sendo influenciadas e, conseqüentemente, independentes).
            Tal acordo foi apresentado como sendo a última alternativa para Milosevic depois de várias propostas lançadas pela OTAN e ignoradas pelo presidente iugoslavo. A OTAN supôs que, bombardeando a Iugoslávia com tropas aéreas, Milosevic se renderia e aceitaria as exigências da aliança, mas, a resistência do presidente aos ataques surpreendeu a OTAN e esta, não tem outro plano a não ser entrar com tropas terrestres no território iugoslavo.
            A Rússia, mesmo sendo aliada da Iugoslávia (russos e sérvios são eslavos e cristãos ortodoxos), não pode entrar no conflito militarmente, já que depende da ajuda econômica dos Estados Unidos e do FMI. E por meio da OTAN, os Estados Unidos procuram “administrar” a guerra, patrocinando ataques contra a Iugoslávia, já que temem que o conflito entre os sérvios e albaneses de Kosovo pudesse se expandir e acabar envolvendo outros países da região e, conseqüentemente, desestabilizando a Europa, um dos principais continentes responsáveis pela manutenção da hegemonia americana no mundo.
            A OTAN, principalmente os Estados Unidos, não deveria intervir numa guerra em que a pátria, o território e a população dos países que compõem tal aliança não está envolvida.
Certamente, a população vítima da guerra, os kosovares, conseguiria chegar num acordo com a Iugoslávia, sem ter que sofrer bombardeios e mortes geradas pela interferência da OTAN, já que estes quiseram entrar na guerra como os senhores justiceiros responsáveis pela paz no mundo.
Estes bombardeios que iriam servir para intimidar a Iugoslávia estão massacrando a própria população kosovar. Ou seja, a OTAN está, simplesmente, facilitando o trabalho dos sérvios, que era fazer uma limpeza étnica na Iugoslávia, especificamente em Kosovo.
Os kosovares estão sendo manipulados e usados pela OTAN e pelos Estados Unidos para que estes últimos consigam atingir seus objetivos de domínio, influência e manutenção da atual hegemonia americana no mundo. Eles estão sendo, mais uma vez, egocêntricos e egoístas.

Texto de Tatiana Nakabayashi (itl@sti.com.br)

 

<< PÁGINA PRINCIPAL