Página Principal Contato

PAÍSES DA AMÉRICA DO SUL
História e Geografia

Argentina - Bolívia - Brasil - Chile - Colômbia - Equador - Guiana
Guiana Francesa - Paraguai - Peru - Suriname - Uruguai - Venezuela


Colômbia
@

A metade ocidental da Colômbia é dominada pelos Andes, que se dividem em três grandes cordilheiras, a Cordilheira Ocidental, a Cordilheira Central e a Cordilheira Oriental. Entre as cordilheiras estendem-se os vales dos rios Cauca e Magdalena, que fluem para as planícies de baixa altitude ao longo das costas do mar das Caraíbas. As cordilheiras albergam vulcões ocasionalmente ativos, e o ponto mais elevado é o Pico Cristóbal Colón, com 5 775 m.
A metade oriental caracteriza-se por planícies baixas, com frequência densamente florestadas, por onde correm muitos rios incluindo o Putumayo, o Yapura, o Meta e oGuaviare, que ou se dirigem para o Orenoco ou para o Amazonas.
As ilhas de San Andrés y Providencia, nas Caraíbas, e a ilha de Malpelo, no oceano Pacífico, também fazem parte da Colômbia.
O clima é tropical ao longo de ambas as costas e nas planícies orientais, ao passo que as terras altas podem ser consideravelmente mais frias. A maior cidade da Colômbia é a sua capital, Bogotá, e as outras cidades importantes são Medellín, Cali, Cartagena, Barranquilla, Ibagué, Manizales, Pasto, Pereira, Cúcuta e Bucaramanga.
O governo federal divide o país em 6 regiões: Região Amazônica, Região Andina, Região Caribe, Região Costa Pacífica, Região Insular e Região Orinoquia.
Fonte: pt.wikipedia.org

LOCALIZAÇÃO GEOGRÁFICA

Colombia encontra-se no cone sul do continente americano, ocupando uma extensão de 1.141.748 quilômetros quadrados. Tem fronteiras com o Panamá, Venezuela, Brasil, Peru e Equador, sendo o único país da América do Sul banhado pelo Atlântico e o Pacífico.
Ao leste da Colombia localizam os Planícies Orientais, enquanto ao sul o Amazonas ocupa quase a terceira parte do território nacional. A parte oeste da Colombia (cerca de 45%) é montanhosa, formada por três cordilheiras, que descem até o sul da Região do Caribe, e conhecida como Ocidental, Central e Oriental. As três unem-se na região conhecida como Nariño, ao sudoeste do país. A Cordilheira Ocidental, com mais de 1.100 quilômetros. é a mais baixa das três e vai paralelamente às costas do Pacífico. A Cordilheira Central está considerada como uma extensão da Cordilheira dos Andes, sendo a mais alta e a mais vulcânica. A Cordilheira Oriental é a maior e mais comprida, atravessando o país de norte a sul. Entre estas cordilheiras encontra-se o Vale de Cauca e o Vale de Madalena, onde correm os rios de mesmo nome, unindo-se ao norte e desembocando em Barranquilla. Além destas cadeias montanhosas encontra-se a Serra Nevada de Santa Marta, com os picos mais altos da Colombia em Simon Bolivar e Cristovão Colombo, com 5.770 metros cada.
Esta variedade geográfica faz da Colombia um país muito rico em contrastes. Em um "reduzido território" encontrará montanhas e selva, sem esquecer os 33 Parques Nacionais, os mais de cinco Santuários de Flora e Fauna e importantes Reservas Naturais, tudo um paraíso terreno.
Administrativamente a Répública da Colombia divide-se em 32 estados e o Distrito Especial de Bogotá. Cartegena (chamada Cartegena das índias, na época colonial), localiza-se ao norte da região de Bolivar, nas magníficas costas do Caribe. A região caribenha extende-se ao longo de 1.600 quilômetros, desde as densas selvas de Dáren ao oeste, na fronteira com Panamá, até o Deserto. de Guajira ao leste, fronteira com a Venezuela. A região divide-se em seis sub regiões, irrigadas por sete rios naturais únicos como a Serra Nevada de Santa Marta, com as mais altas formações montanhosas próximas ao mar. Por outro lado, na região do Caribe, localizam-se sete Parques Nacionais, como são o Parque Nacional Tayrona ou o Parque Nacional Los Katios, e os silenciosos vulcões em Arboletes, cerca de Barranquilla. Não tem que esquecer-se dos arquipélagos de Santo André e Providência, e as numerosas ilhotas situadas no Mar Caribe.

FLORA E FAUNA

Colombia é um verdadeiro édem e seus habitantes pregonizam, quando afirmam que o país possui a maior concentração de variedades de plantas e animais de todo o mundo. E não exageram, porque em Colombia está classificado cerca de 120.000 variedades de plantas e mais de de quinhentas variedades de aves. Na região Amazônica existem mais de 200 espécies de mamíferos, 600 espécies de aves, 200 classes de répteis e 600 espécies de peixes.
Sua diversa vegetação compreende a selva tropical da região amazônica, os úmidos prados do norte, os pântanos, os arbustos da região de Guajira e os mangues do litoral do Pacífico, sem esquecer das pradarias das bacias dos rios Cauca e Madalena e os bosques tropicais.
Na Colombia existem 33 Parques Nacionais, 6 Santuários de Flora e Fauna, 2 Reservas Naturais e área única, conhecida como Los Estoraques. Todos eles representam 8% do território nacional. As tendências apontam para a extensão da rede dos parques nacionais.
Neste paraíso habitam jaguares, porco do mato, veados, ocelotes, tatus. Tatu, anacondas, numerosas variedades de peixes, diversas classes de ursos, flamingos, gaivotas, urubus e centenas de espécies a mais. Por outro lado, a abundante rede fluvial e suas costas do Atlântico e Pacífico, convertem o país em uma das reservas de vida marítima mais importante do mundo.
A região do Caribe caracteriza-se pelas pantanos (terrenos alagados de água e umidade, pantanoso e com limo, um sedimento de material fino), as lagoas, excelentes pastos para o gado vacinado, além serem ótimos criadores da vida marítima. Na região cultivam diversos frutos e hortaliças como mangostino, cacau, sapoti e coco, entre outras.
Nas imediações de Cartagena, em uma área de 10 quilômetros quadrados encontra-se o Parque Nacional Ilha do Rosário, constituido por pequenas ilhas coralinas, onde a vida marítima é abundante. As mais importantes são as Ilhas do Rosário, Ilha Grande, Ilha Areia e Ilha do Tesouro, que destacam-se mais de 25 pequena ilhotas. O arrecife de coral que rodeia a Ilha do Rosário é um dos mais extensos e magníficos do Caribe colombiano, comparável ao das ilhas de Santo Andrés e Providência, situadas a 750 quilômetros das costas columbianas.
Fonte: www.rumbo.com.br

Geografia física

Relevo

Poucos países apresentam tamanha variedade geográfica quanto a Colômbia. Sua topografia acidentada, dominada pela presença dos Andes, além da localização próxima à linha do equador, cria uma extraordinária diversidade de climas, vegetação, solos e paisagens agrícolas. Ao penetrarem na Colômbia pela fronteira com o Equador, os Andes dividem-se em três ramos: as cordilheiras Ocidental, Central e Oriental.
A cordilheira Ocidental estende-se do Equador até a planície do mar das Antilhas, seguindo aproximadamente a linha do Pacífico. Ao sul é franqueada por íngremes camadas paleozóicas e mesozóicas. A cordilheira Central, a mais alta das três, é separada da Ocidental pelo vale do rio Cauca e da Oriental pelo vale do rio Magdalena. Termina em colinas baixas perto da confluência dos dois rios. Consiste principalmente em arenitos cretáceos e rochas porfiríticas. Os picos mais elevados são o Nevado del Tolima (5.215m), o Nevado del Ruiz (5.300m) e o Nevado del Huila (5.750m). O batólito de Antioquia, a uma altitude média de 2.130m, constitui um prolongamento setentrional da cordilheira Central.
A cordilheira Oriental, formada por dobramentos cretáceos, divide abruptamente a região montanhosa do norte e oeste das extensas planícies baixas que, a partir do sopé da cordilheira Oriental, descem suavemente até os rios Orinoco, a leste, e Amazonas, ao sul. As planícies ocupam metade da área do país. Ao sul, a selva é banhada pelos rios do sistema amazônico. Embora os Andes constituam a espinha dorsal do território, há também na Colômbia alguns sistemas montanhosos não andinos.
O mais notável é a serra Nevada de Santa Marta, ao norte, imponente maciço granítico cujo pico mais elevado, Cristóbal Colón (5.875m), é também o ponto culminante do país e fica somente a quarenta quilômetros do mar. Clima. Devido à posição geográfica da Colômbia, o clima predominante nas planícies é o equatorial, sem grande variação de temperatura ao longo do ano. Diferenças mais marcantes entre as estações do ano se observam em decorrência do regime de chuvas, que determina a alternância de períodos secos (verão) e chuvosos (inverno) em algumas regiões. Registram-se mais de 2.500mm de precipitações, repartidas regularmente ao longo do ano, na extensa planície amazônica, na maior parte da costa do Pacífico e nas proximidades do istmo do Panamá.
No Chocó, região situada entre o Pacífico e a cordilheira Ocidental, onde chove quase diariamente, chegam a registrar-se 8.000mm anuais. Na parte sul da costa do Pacífico e em terras próximas ao golfo de Darién, o índice pluviométrico é também elevado, embora ocorra uma estação seca que se acentua nas planícies do curso inferior dos rios Magdalena e Cauca, a leste da cordilheira Oriental.
A parte leste do litoral do mar das Antilhas apresenta clima mais seco e mais quente que o do restante do país. As zonas montanhosas denotam grande diversidade climática, determinada fundamentalmente pela altitude. Até os mil metros estendem-se as áreas quentes e de mil a cerca de dois mil metros, as temperadas, com temperaturas médias entre 22 e 18 C. Nas áreas frias, situadas aproximadamente entre dois mil e três mil metros, as temperaturas médias oscilam entre 18 e 11o C.
Acima das terras frias e até o limite das neves perenes, em torno de 4.800m, encontram-se os descampados onde a prática da agricultura é de todo impossível. De modo geral as chuvas são abundantes nas regiões montanhosas, excetuando-se, porém dessa regra alguns vales mais profundos e os altos descampados.

Hidrografia

Menos de dez por cento das águas que correm pelo território colombiano deságuam no Pacífico, em geral levadas por rios caudalosos e curtos que descem a cordilheira Ocidental em grande velocidade, com exceção do Patía, que drena o extremo sul do espaço compreendido entre as cordilheiras Ocidental e Central. Outros rios importantes da bacia do Pacífico são o Baudó e o San Juan.
Devido à conformação das cordilheiras andinas, suas águas correm por extensos leitos que, orientados para o norte, despejam-nas no mar das Antilhas; o Atrato corre a oeste da cordilheira Ocidental, levando suas águas ao golfo de Darién; o Cauca, depois de ter seu curso contido entre as cordilheiras Ocidental e Central, desemboca no Magdalena, o grande rio colombiano, que drena com seus afluentes as terras situadas entre as cordilheiras Central e Oriental. O Sinú deságua diretamente no Caribe, enquanto alguns pequenos rios do nordeste da Colômbia deságuam no lago venezuelano de Maracaibo.
A maior bacia fluvial colombiana é a do Atlântico, à qual pertencem os caudalosos Caquetá e Putumayo, afluentes do Amazonas, e o Meta e o Guaviare, que vão ter ao Orinoco no trecho em que esse extenso rio constitui a fronteira entre a Colômbia e a Venezuela.
A Colômbia possui lagos e lagoas de modesta dimensão, nas zonas andinas, e grandes pântanos nas partes mais baixas das planícies. Entre eles se encontra o pântano formado pelos numerosos braços confluentes dos rios Magdalena, Cauca, César e Nechí, na planície atlântica, e os que são atravessados pelos cursos inferiores do Atrato, junto ao golfo de Darién, e do San Juan, na costa do Pacífico.
Fonte: www.brasilescola.com

A Colômbia é o segundo mais populoso país da América Latina

A Colômbia é um país da América do Sul, limitado a norte pelo Mar das Caraíbas, a leste pela Venezuela e pelo Brasil, a sul pelo Peru e pelo Equador e a oeste pelo Oceano Pacífico e pelo Panamá. Além do território continental, inclui também dois pequenos territórios insulares: o território de San Andrés e Providencia, no Mar das Caraíbas, e a ilha de Malpelo, no Pacífico. Área: 1 138 910 km². Capital: Bogotá. População (2003): 44 531 434.
A metade ocidental da Colômbia é dominada pelos Andes, que se dividem em três grandes cordilheiras, a Cordilheira Ocidental, a Cordilheira Central e a Cordilheira Oriental. Entre as cordilheiras estendem-se os vales dos rios Cauca e Magdalena, que fluem para as planícies de baixa altitude ao longo das costas do mar das Caraíbas. As cordilheiras albergam vulcões ocasionalmente activos, e o ponto mais elevado é o Pico Cristóbal Colón, com 5 775 m.
A metade oriental caracteriza-se por planícies baixas, com frequência densamente florestadas, por onde correm muitos rios incluindo o Putumayo, o Yapura, o Meta, e Guaviare, que ou se dirigem para o Orenoco ou para o Amazonas.
As ilhas de San Andrés y Providencia, nas Caraíbas, e a ilha de Malpelo, no oceano Pacífico, também fazem parte da Colômbia.
A maior cidade da Colômbia é a sua capital, Bogotá, e as outras cidades importantes são Medellín, Cali, Cartagena, Barranquilla, Ibagué, Manizales, Pasto, Cúcuta e Bucaramanga.

Demografia da Colômbia

A Colômbia é o segundo mais populoso país da América Latina, depois do Brasil. Podemos considerar três grupos étnicos principais: os indígenas (grupo nativo da região), os negros (de origem africana, vindos como escravos para trabalhar, principalmente nas minas de ouro) e os brancos (descendentes de espanhóis).
Estes três grupos não permaneceram estanques e ocorreu o fenômeno da mestiçagem. Os antropólogos referem a existência de 20% de brancos; 5% de negros e 1% de índios; 57% de mestiços resultantes da união do branco com o índio; 3% de zambos resultantes da união do negro com o índio; e 14% de mulatos, resultantes da união do branco com o negro.
A maioria da população concentra-se nas vertentes das três cordilheiras, nos vales interandinos e no litoral Caribe, já que estes locais oferecem melhores perspectivas de vida e trabalho para os habitantes.
Fonte:  www.gubri.com.br

História da Colômbia

Á Séculos antes da chegada dos espanhóis à América, diversos grupos indígenas habitavam a Colômbia: os primeiros rastros de ocupação humana da região remontam a 10 mil anos a.C.
No ano em que a América foi descoberta por Colombo, 1492, estima-se que a população indígena somava 850 mil pessoas, distribuídas em diversos grupos, muitos deles hábeis artesãos que deixaram a marca de sua existência moldada em ouro, como se pode ver também em Bogotá no Museu Nacional.
Entre esses, destacam-se os chibchas, posteriores aos agustinianos, que viveram nos séculos 2 e 3. Depois, os taironas, quimbayas e calimas dominaram as artes da cerâmica e até montaram formas de governo, estabelecendo pactos políticos entre si.
Com a vinda dos colonizadores, os tesouros foram saqueados e houve perda de identidade durante o período de aculturação.
Entre 1509 e 1550, quando muitas das cidades colombianas foram fundadas, Santa Fé de Bogotá --hoje apenas chamada de Bogotá-- se tornou capital do vice-reino da Nova Granada e, em 20 de julho de 1810, data da independência, a capital contava com cerca de 50 mil moradores.
Dessa época até o fim da campanha do general Simón Bolívar, em 7 de agosto de 1819, o país vivenciou revoltas que alcançaram o clímax na Guerra dos Mil Dias, entre 1899 e 1903, ano em que o Panamá promulgou a sua independência.
No século 20, os partidos Liberal e Conservador se revezaram no poder, e uma ditadura militar governou a Colômbia de 1953 a 1957, acomodando os dois grupos políticos sob a égide de uma Frente Nacional, de 1958 a 1974.
Nesse meio tempo, o país que decolou sua linha aérea já em 1919, a Avianca, segunda do mundo, depois apenas da holandesa KLM e que edificou estabelecimentos fabris e metrópoles como Bogotá, Medellín, Cali e Barranquilla, segue lutando para conquistar a estabilidade social e política. A Constituição, promulgada em 1991, não trouxe a paz definitiva que o país --que legou ao mundo de hoje talentos do quilate do escritor Gabriel García Márquez e do pintor Fernando Botero -- tanto almeja. Mas, a despeito de qualquer má notícia da política, a visita a locais como Bogotá e Cartagena, com sua cultura vibrante e arrebatadora, encerra gratas surpresas.
Fonte:  pt.wikipedia.org

A historia colombiana está estreitamente ligada a muitos países da América do Sul. Seu nome foi dado por Américo Vespúcio em homenagem a Cristóvão Colón, quando em 1499 visitou pela primeira vez o país em companhia de Alfonso de Ojeda.

Em 1538, recorrido todo o território colombiano pelos espanhóis, recebeu de Quesada o nome de Novo Reino de Granada, sob a autoridade do vice-reinado do Peru. Em 1654 a colônia de Nova Granada se converteu em presidência autônoma, e em 1718 foi elevada a vice-reinado, o qual compreendia os atuais territórios de Colômbia, Venezuela e Equador.

1810-1830 A INDEPENDÊNCIA

Em 1810 estalou a revolução e começou uma guerra de independência que, depois de várias alternativas e graças ao esforço de Simón Bolívar, conduziu, em 1819, à proclamação da República da Colômbia, constituída por Nova Granada e Venezuela e incorporada posteriormente por Equador. Não tardou me surgirem discrepâncias entre federalistas e unionistas e, após a vitória dos primeiros, Venezuela e Equador se separaram da Confederação. Assim, em 1831 se dividia em três repúblicas a Grande Colômbia criada por Bolívar.

1830-1880 A BUSCA DA ESTABILIDADE

Colômbia viveu um período de confrontos civis e lutas entre os dois principais partidos, liberais e conservadores, nas primeiras décadas de vida independente. Depois de diversas alternativas, no final dos anos 60 a ala mais avançada do liberalismo conseguiu impor seu predomínio sobre os liberais moderados e os conservadores.

1880-1930 O PERÍODO CONSERVADOR

A aliança entre setores liberais moderados e conservadores, liderados por Rafael Núñez e Miguel Antonio Caro, terminou com o domínio liberal radical e inaugurou meio século de estabilidade assentada no predomínio conservador. De todas formas, esta época esteve salpicada por conflitos e guerras civis como a Guerra dos Mil Dias (1899-1901) que não só provocou grandes perdas ao país, mas também a separação do Panamá (1903) que se converteu num Estado independente. A ditadura de Rafael Reyes entre 1904 e 1909 e os governos civis do Partido Conservador conduziram a marcha do país até a crise do 29, num período marcado pela estabilidade e o desenvolvimento da economia e as infra-estruturas.

1930-1946 A REPÚBLICA LIBERAL

A divisão no conservadorismo, unida à moderação do liberalismo propiciou o triunfo destes últimos em 1930. Desta época destacam as reformas políticas e sociais introduzidas pelo principal líder liberal Alfonso López Pumarejo, quem foi duas vezes presidente (1934-1938 e 1942-1946). Ademais, produziu-se nesta época uma radicalização das posturas tanto no liberalismo como no conservadorismo. Jorge Eliécer Gaitán se transformou nos anos 40 no líder da facção mais à esquerda no liberalismo, enquanto Laureano Gómez encabeçava a um conservadorismo de tendências corporativistas e cercania ideológica com o franquismo.

1946-59 A VIOLÊNCIA

O assassinato de Gaitán em 1948 desatou uma onda de confrontos ao longo de todo o país e lançou a ações guerrilheiras a numerosos dirigentes liberais. A resposta foi uma acentuação da repressão tanto durante o governo de Laureano Gómez (1950-1953) como durante a ditadura do general Rojas Pinilla (1953-1957).

1959-2005 A DEMOCRACIA

Liberais e conservadores chegaram na um acordo para compartilhar pacificamente o poder e a partilha dos postos administrativos para evitar novos conflitos e confrontos civis. Entre 1959 e 1974, a conhecida como a época da Frente Nacional, alternaram-se no poder e respeitaram a paridade na representação de cargos públicos, fechando a possibilidade de que terceiras forças entrassem no sistema.
A abertura do sistema no final dos anos 70 veio acompanhada de novos problemas: a transformação dos carteis da droga, sobretudo o de Medellín liderado por Pablo Escobar, em poderosos atores econômicos e políticos que chegaram inclusive a desafiar ao próprio Estado. Ademais, os diferentes grupos guerrilheiros foram fortalecendo-se, em especial as FARC, que converteram o território por eles dominado num Estado dentro do Estado. A debilidade desse mesmo Estado, à hora de combater à insurgencia, propiciou a aparição de poderosas forças paramilitares que enfrentaram com o terror o avanço guerrilheiro.
Desde 1990 se seguiram diferentes vias para combater às FARC. Desde a reforma do sistema tentando aprofundar a democratização do mesmo durante a presidência de César Gaviria, passando pelo diálogo direto mantido com a guerrilha durante a presidência de Andrés Pastrana (1998-2002) até chegar a ofensiva militar desenvolvida contra as FARC desde a chegada ao poder de Álvaro Uribe em 2002, que provocou uma retirada da guerrilha para posições de retaguarda.
Fonte:  www.ciberamerica.org

A tragédia da Colômbia

República da Colômbia (*) é um país que parece agonizante. Aparenta estar num estado terminal devorado internamente por um processo autodestrutivo, semi-autofágico, de difícil entendimento. Quase todas as forças políticas, quase todos os grupos e classes, e quase todos os interesses, internos e externos, estão em guerra uns contra os outros. A sociedade colombiana assemelha-se a cada dia que passa com o mundo lúgubre do filósofo Hobbes onde cada homem é o lobo do outro homem.
Tornou-se a Colômbia uma espécie de nação-pária, uma terra dos "intocáveis", devido ao crescente poder que o narcotráfico adquiriu nos últimos anos na vida econômica, política e mesmo institucional (o presidente anterior, Ernesto Samper foi publicamente acusado de ter sido eleito com o dinheiro do narcotráfico). O nome Colômbia é hoje universalmente associado à ilicitude, à marginalidade, à delinqüência criminosa, e o cidadão comum, o infeliz colombiano, passou a ser apontado universal e injustamente como um potencial ou efetivo traficante de estupefacientes.
O atual presidente Andrés Pastrana, eleito pelo Partido Conservador, tenta uma última cartada para conseguir um acordo de paz com os movimentos guerrilheiros (que há 40 anos estão em guerra no país). Ao mesmo tempo que as reuniões de conciliação entre o governo Pastrana e as lideranças guerrilheiras se sucedem, entremeadas de ataques e de assassinatos, os Estados Unidos pressionam para que uma solução venha a ser tomada em breve. Fracassado tal política de pacificação, acredita-se, é bem provável que ocorra no futuro uma intervenção armada externa, articulada pelo governo norte-americano.
(*) A Colômbia possui 1.141. mil km2, uma área superior em extensão à Peninsula Ibérica e à França somadas. Geograficamente divide-se numa parte litorânea, banhada por dois oceanos, o Atlântico (Mar do Caribe) ao Norte, e o Pacífico ao Oeste; na região Andina onde se alinham três cordilheiras, a oriental, a central e a ocidental; e na área da floresta amazônica, que abarca quase 40% do seu território.

Antecedentes históricos

A atual República da Colômbia era parte até o início do século 19 do Vice-Reino da Nova Granada - uma subdivisão do Império Espanhol das Américas. Em 20 de julho de 1810 deu-se o início da luta pela independência com um levante em Bogotá, a capital do país. Logo depois, em 1819, fundaram-se as Províncias Unidas da Nova Granada - compostas pela Venezuela, pela Colômbia e pelo Equador -, cuja sobrevivência Bolívar garantiu pelas vitórias que alcançou sobre o exército colonial espanhol em Boyacá (em 1819 na Colômbia), em Carabobo (na Venezuela em 1821) e finalmente pela vitória em Pichincha (no Equador em 1822).

Bolívar

Simon Bolívar, El Libertador, o grande herói da independência sul-americana, tentou por todos os meios - inclusive lançando mão da ditadura ( entre 1828-30)-, manter este vastíssimo e diversificado território, composto pelos Andes, pelo litoral e pelas matas virgens da Amazônia, numa unidade política só. Os facciosismos separatistas e as ambições egoístas das oligarquias crioulas locais, terminaram por pesar mais e, gradativamente, quebrou-se a unidade original, ocorrendo a formação de outros estados independentes. Entre os anos de 1810 a 1850 o imenso Império Hispânico das Américas partiu-se como um espelho caído no chão, surgindo mais de 20 republicas.

Santander

A personalidade dominante no cenário político emancipacionista colombiano foi o general Santander, ex-vice-presidente de Simón Bolívar, que liderou o pais até 1840, ano da sua morte. Desaparecido o homem-forte, o poder passou a ser disputado pelos dois partidos majoritários da oligarquia: o Partido Liberal e o Partido Conservador (que existem até hoje e que continuam a reservar para si o poder político). Trata-se a Colômbia de um caso único na América Latina. Partidos fundados no século 19 ainda dominam o sistema político e eleitoral de um país.

A violência política

A história da Colômbia, é - mais do que nenhum outro país latino-americano -, a história da violência. A rivalidade partidária entre os dois grandes conglomerados oligárquicos, o liberal e o conservador, têm-se traduzido em guerras e matanças sem fim. A chamada " Época da Guerra Civil" que se arrastou de 1863 a 1880, foi sucedida pela "Guerra dos Mil Dias", de 1899 a 1903, provocando a morte de 60 a 130 mil vítimas. Foi este estado, de quase permanente e inexplicável autodestruição, que o novelista Gabriel Garcia Márques, prêmio Nobel de Literatura, tornou pano de fundo não só do seu clássico livro "Cem anos de Solidão" como da grande parte das suas outras histórias.

O Bogotazo

No século 20 a violência não amainou. Perseguições políticas acompanhadas de chacinas foram comuns. Nem mesmo as medidas reformistas tomadas pelo Presidente Alfonso López adotadas na década dos anos trinta, no sentido de dar garantias às terras dos camponeses, amainou o confronto. Há pouco mais de 50 anos passados, em 1948, a Colômbia presenciou talvez uma das mais terríveis anarquias urbanas da história moderna: o Bogotazo. Milhares de habitantes da capital se amotinaram, saindo às ruas tomados de um inconcebível furor, vandalizando quase tudo a sua passagem, em protesto contra o assassinato do líder liberal Jorge Eliécer Gaitán. Este crime político, cujos tumultos deram um prejuízo de 570 milhões de dólares, desencadeou outra onda de barbarismos que se estendeu, com alguns intervalos, por mais 14 anos, até 1962. Época, com toda a razão, chamada de La Violencia.

La Violencia

A anarquia sanguinária - calcula-se que provocou 200 mil mortes! - só foi contida aos poucos pela ditadura do General Rojas Pinilla em 1953. Em 1957, deposto o ditador, uma junta governativa , a Frente Nacional, organizou uma trégua entre os dois partidos, o liberal e o conservador. Representados por Camargo e Gomes, acertaram um estranho mas compreensível acordo: a Declaração de Sitges.

A conciliação oligárquica

Segundo os grandes caciques partidários, para evitar uma nova recaída na violência popular (uma nova onda de matanças de rua) ou na violência institucional ( um retorno à ditadura), celebraram um acordo em que a presidência da república seria alternada, ora ela seria assumida por um liberal, ora por um conservador, fazendo com que o mesmo pacto fosse aplicado eqüitativamente nas demais instâncias do poder, nos ministérios e governos departamentais. Situação esta que se prolongou por 16 anos, até 1974.
O lado negativo da conciliação oligárquica foi desautorizar e desmoralizar o voto popular. De que servia ao povo participar de eleições onde previamente já se sabia quem empalmaria o poder? Isto conduziu a Colômbia a apresentar os mais elevados índices de abstenção eleitoral do continente.
A ausência do partido popular: é também marca da política colombiana a inexistência de um partido popular, com claras inclinações ideológicas e sociais - como o foram, por exemplo, o Partido Justicialista (PJ) na Argentina de Perón, ou o Partido Trabalhista Brasileiro (PTB) criado por Getúlio Vargas no Brasil, ou ainda uma agremiação da dimensão do dos socialistas chilenos, todos eles comprometidos com a reforma social e trabalhista. Esta falta de uma válvula de escape partidária faz com que as reivindicações sociais expludam em grandes fúrias e rebeliões das multidões nas cidades, ou busquem o caminho das guerrilhas, das emboscadas e das matanças no mundo rural. Agrega-se ainda , como combustível para a violência endêmica, o mau costume da elite colombiana de recorrer aos assassinatos de encomenda, à pistolagem, como método regular de eliminação dos adversários da vida política.

A Guerrilha

Independente da existência hoje dois grandes grupos guerrilheiros em atividade na Colômbia, a FARC (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia) e a ELN (Exército de Libertação Nacional), é um fato histórico a sobrevivência do bandoleirismo nas regiões rurais mais afastadas. Resultado este, o banditismo social, do infeliz convívio de um latifúndio em expansão com uma guerra civil permanente. Desde o século passado, e ainda em tempos bem mais remoto, bandos armados viviam de assaltos e de pilhagens das fazendas, minas e dos vilarejos do interior. Pode-se considerá-los, a tais bandos, como uma espécie de resistência arcaica, de origem agrária e indígena, reagindo ao domínio do governo colonial espanhol, e depois à hegemonia do crioulo colombiano (branco de origem ibérica), configurada nos dois grandes partidos governantes.

FARC/ ELN

O primeiro deles, a FARC - liderado por Tirofijo, o mais antigo chefe guerrilheiro ainda em atividade -, surgiu em 1959, inspirado da vitoria de Fidel Castro em Cuba. Foram os comunistas colombianos quem o organizaram, estimando o número dos seus combatentes em 22 ou 25 mil guerrilheiros. O segundo desses movimentos, o ELN, veio um pouco depois e sua inspiração é guevarista. Cada um deles a seu modo são tributários da teoria foquista que visa chegar ao poder não pelos procedimentos democráticos mas pela luta armada revolucionária. Até uns dez anos atrás seus recursos vinham das pilhagens, dos seqüestros (a Colômbia é recordista mundial nesta nefanda prática), dos confiscos forçados e das taxas de proteção cobradas às empresas e aos fazendeiros.
O fim das bandeiras: a queda do muro de Berlim, e o desaparecimento do Bloco Socialista em 1989, alterou-lhes a perspectiva. Muitos ex-guerrilherios resolveram voltar à vida civil e participar da política partidária. Outro agrupamento, o M-19, formado pelos partidários do ex-ditador Rojas Pinilla ( o equivalente colombiano dos Montoneros peronistas na Argentina), que tentou a via eleitoral, teve seus militantes assassinados pelos paramilitares da extrema direita. Mais de mil deles foram abatidos.
Paramilitares: negou-se assim com essas mortes em série a possibilidade dos ex-guerrilheiros integrarem-se na política convencional, como ocorreu com os sandinistas na Nicarágua e com os ex-integrantes da Frente Farabundo Martí em El Salvador. Foram bloqueados pela reação brutal dos esquadrões de extermínio. Esses grupos, os paramilitares, sabe-se que são formados por ex-oficiais e ex-policiais a serviço de fazendeiros e outros endinheirados, e, tudo indica, contam com a simpatia de setores das Forças Armadas colombianas, que os têm como uma força auxiliar informal na luta anti-guerrilheira. Atribui-se a eles a maioria das mortes por encomenda que tem ocorrido no país ( três candidatos à presidência foram até agora assassinados)
A aliança com o narcotráfico: no desencanto geral entre as esquerdas que se seguiu à fórmula revolucionária na década dos noventa (a estagnação econômica e política de Cuba, a derrota eleitoral dos sandinistas na Nicarágua, e a pouca expressividade dos zapatistas em Chiapas, no México), a guerrilha colombiana perdeu o rumo. Virou uma nau sem bússola e sem direção. Isolaram-se ainda mais ficando nas selvas, encerradas nas regiões que de certo modo controlavam anteriormente. Aproximaram-se então do narcotráfico, servindo de milícia protetora das áreas do plantio da folha de coca espalhadas nas clareiras da floresta, ou exigindo tributos dos camponeses seus produtores.
Numa cínica declaração de um dos comandantes guerrilheiros, justificando a inaceitável e imoral associação entre os ideais socialistas e o sórdido negócio da cocaína, disse que promover o tráfico era continuar a luta antiimperialista por outros meios, visto que a maior parte da droga é consumida pela juventude norte-americana, debilitando assim o eterno inimigo a ser combatido. Vivem eles também da extorsão, pela prática de continuados seqüestros de empresários e de seus familiares, bem como de gerentes ou executivos de empresas nacionais ou multinacionais que atuam na Colômbia. Recorrem pois às velhas práticas do endêmico banditismo colombiano, que nunca morreu de verdade naquela sociedade.
A força e a sobrevivência da guerrilha deriva da função que elas assumiram nos últimos dez anos: ser a milícia protetora do complexo da cocaína (zonas de plantio, as vias terrestres de tráfego e os aeroportos utilizados pelos traficantes), situado geograficamente na parte da amazônia colombiana, região de difícil acesso, quase despovoada, com 400 mil km2 de extensão. O seu epicentro é o departamento de Guavira e sua cidade principal São José de Guavira, é tida como a capital da cocaína colombiana. Uma das suas tarefas é garantir a inviolabilidade dos territórios da coca para que seus carregamentos possam ser negociados pelos dois poderosos cartéis do narcotráfico: o de Cali e o de Medelin.

As drogas

A Colômbia tornou-se a principal fornecedora da cocaína (um alcalóide derivado das folhas de coca, uma planta denominada Erythroxylon coca) para o mercado norte-americano a partir do final dos anos 70, quando os Estados Unidos retiraram-se do Sudeste Asiático após sua derrota no Vietnã em 1975. Até então os usuários e viciados consumiam - particularmente a heroína -, em sua maior parte, do Triângulo de Ouro (formado pela Birmânia, atual Mianmá, a Tailândia e o Laos), onde os produtores chegaram a contar com a proteção especial de Khun Sa, cognominado o "príncipe da Morte", chefe de um exército particular, o Mong Tai Army. A heroína vinha também das plantações de papoula da Anatólia turca, do Afeganistão e demais regiões da Asia Menor.

A Colômbia concorre com a Ásia

Os traficantes colombianos aceleraram o aumento da produção de cocaína na Colômbia, como no vizinho Peru, para ocupar o espaço aberto pela produção oriental. Calcula-se que o negócio internacional da droga gire hoje ao redor de um trilhão de dólares (8% do comercio global, superior as exportações mundiais de ferro, de aço e de motores de automóveis), cabendo à Colômbia o fornecimento de 80 a 85% da cocaína consumida nos Estados Unidos.

A droga nos Estados Unidos

O uso de drogas na América, por sua vez, resultou de uma mudança de costumes, fazendo com que o mercado consumidor norte-americano se tornasse no maior e mais ávido por drogas no mundo inteiro. Nos anos 20 a grande preocupação das campanhas moralistas era o combate às bebidas alcóolicas, fazendo aprovar a Lei Seca que proibiu o seu consumo em todo o território dos Estados Unidos, até ser revogada em 1933. O Movimento Hippie dos anos 60 - a década do Sex, drugs and rock and roll -, resultante da profunda crise moral e ética provocada pela intervenção norte-americana numa guerra extremamente impopular, fez com que a recorrência à droga fosse entendida por amplos setores da classe média e dos intelectuais - especialmente pelos ideólogos da contra-cultura -, como uma contestação à sociedade em que viviam. Da maconha, um fumo proletário de iniciação, foi um salto para excitantes mais pesados, como a "burguesa" cocaína, e a "aristocrática" heroína.

A religião química

Naquela década tormentosa e desafiadora um catedrático de Harvard, o professor Thimoty Leary, dedicou-se a fazer apologia do uso do LSD (o ácido lisérgico), um poderosíssimo agente alucinógeno, iniciando o "drug cult" entre a elite literária e artística e mesmo empresarial dos Estados Unidos. Thimoty foi um seguidor de Aldous Huxley, um escritor inglês que vivia nos Estados Unidos, que no seu livro "The Doors of Perception", (As portas da percepção, 1954), relatou suas "viagens" com a mescalina, recomendando as drogas como uma "religião química", para aqueles "que, por alguma razão, não conseguiam transcender a si mesmos por seus meios ou pela veneração".

As Leis Anti-droga

A legislação norte-americana de combate as drogas data do início do século 20. A Lei Harrison contra os narcóticos é de 1914. Foi complementada tempos depois pela Lei do controle sobre as drogas narcóticas de 1956, e pela Emenda de controle sobre o abuso de drogas de 1965 ( Drug Abuse Control Amendment). A mais recente delas é a Anti-drug Mesure de 1987, que fixou penas severíssimas mesmo para a maconha. Nada serviram porém a não ser para punir com prisão, com penas cada vez mais elevadas, os envolvidos no tráfico.

As drogas como costume

Uma das razões da persistência do seu consumo é que as drogas foram incorporadas à rotina de quase todas as classes sociais. Seus usuários pretextam utilizá-las devido a sociedade norte-americana resultar de um capitalismo ultra-competitivo que a torna cada vez mais atomizada, individualista, egocêntrica e narcisista.
Usam cocaína, especialmente os gerentes e executivos, para se sentirem capazes de superar a letargia e o cansaço, habilitando-os a concorrer, como um estimulante para render o máximo possível. E, é claro, como um imaginário equilíbrio psicológico qualquer, mesmo que isso implique em arriscar-se à dependência, ao vício , à violência e às atitudes anti-sociais. Hábito este que chegou até a plebe norte-americana, o povo slum dos subúrbios das grandes cidades, que encontrou no proletário crack, uma maneira de acompanhar o modismo.
Disto resulta, desta infeliz democratização do consumo de estupefacientes, que as apreensões das remessas de drogas, apesar dos enormes gastos feitos pelos E.U.A - 20 bilhões de dólares entre 1980/90 - terem sido pouco significativas. Calcula o General Accounting Office do Congresso dos E.U.A que, das 780 toneladas métricas da produção mundial de cocaína, somente 230 (ou 29,5%) delas foram capturadas. No caso da heroina o desempenho foi ainda menor: das 300 toneladas métricas produzidas, só 32 delas foram apreendidas.
A caça ao traficante: incapaz de solucionar o problema, a política oficial norte-americana voltou-se para responsabilizar os narcotraficantes e os produtores das drogas. Aos hispânicos, a gente latina em geral, a quem os americanos desprezam. Assim a Colômbia, além de receber um conceito negativo que o governo norte-americano atribui todos os anos aos países que estão envolvidos com drogas, tornou-se o centro da vilania e uma ameaça aos valores universais permanentes.

Os privilégios do narcotráfico

Esta pecha lançada sobre a Colômbia, de ser conivente com os criminosos, reforçou-se ainda mais depois que o governo local concedeu - em troca da lei anterior que determinava a extradição dos condenados pelo narcotráfico, os barões da coca, para os Estados Unidos -, que eles cumprissem pena na Colômbia em condições especialíssimas. Pablo Escobar, o mais conhecido dos traficantes, considerado o cápo dos cápos, foi detido num casarão-fortaleza construído somente para ele. Mesmo assim, insatisfeito, ele fugiu da prisão, sendo morto tempos depois numa perseguição policial. Até então ele tinha sido o principal responsável por uma onda de assassinatos visando juízes, promotores e políticos colombianos que combatiam o narcotráfico, fazendo com que o estado fosse abertamente enfrentado por uma avalanche de atentados à bombas e mortes por encomenda.

Os Estados Unidos e a Colômbia

"Dizer que a Colômbia é uma potência responsável com a qual podemos tratar como fazemos com a Holanda, Bélgica, Suíça ou Dinamarca é um absurdo. Neste momento a analogia que podemos estabelecer é com um grupo de bandidos, sicilianos ou calabreses ou ainda com Pancho Villa." - Th.Roosevelt, Presidente dos EUA, 1903
A Colômbia juntamente com o México tem um relação atormentada com os Estados Unidos. São os dois países latino-americanos que mais foram mutilados pelos interesses expansionistas da grande potência do Norte. O México foi obrigado, depois da derrota na Guerra Mexicano-americana de 1846, a entregar mais de um milhão de km2 aos americanos ( os atuais estados do Texas, a Califórnia, o Novo México e o Arizona), enquanto que a Colômbia teve que assistir impotente os Estados Unidos promoverem em 1903 um levante separatista no então departamento do Panamá. Vitorioso o movimento, graças ao apoio providencial dos fuzileiros navais americanos, a independência panamenha redundou na completa separação da Colômbia e na entrega da atual Zona do Canal para que ali os americanos construíssem, com direitos perpétuos, uma "avenida da civilização" como o Presidente Theodor Roosevelt chamou o canal. Mesmo que os americanos oferecessem mais tarde uma indenização de 25 milhões de dólares ao governo colombiano, a cicatriz da nacionalidade ferida pela política do Big Stick de Theodor Roosevelt, ficou exposta até os dias de hoje.
A violência dos narcotraficantes: num primeiro momento, na história das relações mais recentes entre o governo americano e o colombiano, os Estados Unidos convenceram um dos presidentes a fazer com que os condenados pelo narcotráfico cumprissem pena nas cadeias americanas. O resultado foi trágico. Os traficantes rebelados, revivendo os dias terríveis de La Violencia, atacaram as instituições governamentais, chegando a assassinar até o Ministra da Justiça do país. Agora a situação prenuncia uma ação direita por parte dos Estados Unidos.

A preocupação estratégica

No crescente avolumar da retórica intervencionista, existe uma motivação de ordem mais ampla. Os grupos mais conservadores dominantes no Senado e no Pentágono norte-americano nunca se conformaram com o Tratado Carter-Torrijos, assinado em 1977, que comprometeu os Estados Unidos a devolver em etapas a Zona do Canal para os panamenhos. Temem os americanos retirar-se de uma área estratégica - o controle sobre a Zona do Canal - num momento de recrudecimento das atividades guerrilheiras na Colômbia. Esta é talvez a razão principal - ocultada pelo pretexto de combater o narcotráfico - dos agentes do governo dos Estados Unidos, tanto dos generais americanos vinculados ao Pentágono como o chefe do Departamento anti-drogas (DEA), o general Barry McCaffrey, estarem pressionando os governo latino-americanos, vizinhos ou não da Colômbia, a assumirem um ocupação colegiada da Colômbia no futuro próximo.

Uma intervenção coletiva

Os americanos têm em mente uma operação similar a que patrocinaram, sob os auspício da OEA, em 1965, na ocupação da Republica Dominicana, quando evitaram a ascensão ao poder de um governo pró-esquerdista. Operação que contou então com o pronto apoio da ditadura militar brasileira, que recém assumira o poder. O trabalho deles, dos agentes norte-americanos, resume-se em transformar as preocupações do seu país (a luta contra a droga e o problema estratégico da Zona do Canal), num problema geral dos latino-americanos, ou pelo menos dos sul-americanos. Conseguido tal objetivo os Estados Unidos não precisariam assumir os desgastantes custos, morais e materiais, de uma intervenção militar direta na Colômbia, arriscando-se com suas tropas a reproduzir, ainda que palidamente, um novo Vietnã nas florestas da amazônia.
Fonte: educaterra.terra.com.br  

 A região era habitada por índios até o final do século XV, quando chegaram os espanhóis. Os movimentos de independência tiveram inicio no século XVIII.

Ano de 1821 foi formada a Grã-Colombia, que era constituída pelos atuais países; Venezuela, Colômbia, Panamá e equador, eram liderados por Simon Bolívar.
Lentamente os países foram se separando, até que em 1903 tornaram-se quatro países. Por aproximadamente um século, o poder na Grã-Colômbia dividiu-se entre os partidos Conservador e Liberal, a rivalidade entre eles desencadeou uma guerra civil.
Já no ano de 1948, houve o assassinato de um líder liberal o que gerou distúrbios em Bogotá (o Bogotazo) que se espalharam pelo país, resultando em milhares de mortes. Com isso tanto os liberais quanto os conservadores decidiram fazer um compartilhamento do poder.
No entanto os ex-combatentes liberais instituíram as Forças Armadas da Colômbia (Farc), em 1964. Nos anos seguintes foram fundadas outras organizações como, por exemplo: Exército de Libertação Nacional (ELN) e o Movimento revolucionário 19 de abril (M-19), o que resulto na expansão da guerra civil. Na década de 80, começou uma vasta produção de cocaína. A Colômbia atualmente é responsável por 79% da produção mundial de cocaína.
Fonte:  www.universidadenet.com

Época Pré-Colombiana

Antes da chegada dos espanhóis, o território colombiano estava habitado por algumas tribos que alcançaram um alto nível de desenvolvimento, que ocupavam reduzidos espaços. Sabe-se pouco delas, já que nenhuma civilização deixou monumentos espetaculares, nem duradouros. Entre as culturas mais destacadas estão a muisca, quimbaya, tayrona, tolima, calima, sinú, nariño, tumaco e guane, Os caribes, pijaos e os panches foram os mais barulhentos.
Os grupos mais importantes foram os muiscas, conhecidos também como chibchas, ao conformar o grupo mais relevante da família lingüïstica chibcha. Os muiscas habitavam as altas planícies da Cordilheira Oriental e foram célebres por sua florescente civilização, por suas riquezas, pela exploração das minas de sal e esmeraldas, e por suas amplas rotas comerciais com outras culturas. Na chegada dos espanhóis, os muiscas constituiam a cultura mais desenvolvida e ordenada da Colombia. Sem dúvidas, encontravam-se divididos em dois grandes clãs, o que favoreceu sua conquista por parte dos espanhóis.

A Conquista e a Colônia

Alonso de Ojeda e João da Cosa foram os primeiros espanhóis que pisaram em terras colombianas. A eles sucederam numerosas expedições pelo litoral, fundando-se em 1525 Santa Marta (a cidade mais antiga da Colombia) E Cartagena em 1533. A conquista dos territórios realizou-se graças as três avançadas que invadiram o país. Gonçalo Jiménez de Quezada partiu de Santa Marta para internar-se no Vale Madalena, conquistando o território Muisca e fundando Santa Fé de Bogotá a princípios de 1537. Sebastião de Belalcázar organizou uma expedição desde Equador, conquistando a pare sul do país e fundando Pasto, Popayán e Cali em sua viagem a Bogotá. A terceira expedição, comandada por Nicolas de Ferdemann, partiu das costa venezuelanas, cruzando os Planícies e chegando a Bogotá pouco depois da Audiência do Novo Reino de Granada, um tribunal instalado em Bogotá, que dependia do Vice Reinado do Peru, para acabar com as lutas pelo poder.
Em 1717 devido ao crescimento do império espanhol, criou-se uma nova divisão territorial e Bogota passou a ser a capital do novo vice reinado chamado Nova Granada. Abarcava os territórios atuais de Colombia, Panamá, Venezuela e Equador.

A Independência

Nos finais do século XVIII iniciam os movimentos independentistas. Depois de uma primeira tentativa frustrada, Simon Bolivar em companhia de Francisco de Paula Santander e José Antonio Anzoategui, reunem um novo exército de lhaneros venezuelanos, que liberam Venezuela e cruzam os Andes para entrar na Colombia. A última batalha foi em Boyacá em 1819, conseguindo a completa independência.

A Grande Colombia

Expulsos os espanhóis, celebrou-se em Angostura (Venezuela) em 1819 o congresso revolucionário que proclamaria a Grande Colombia. O novo estadpo criado por Simon Bolivar, compreendia três regiões: Cundinamarca (Colombia e Panamá), Equador e Venezuela, com a capital em Cúcuta. A Grande Colombia não durou muito, já que entre 1829 e 1831, separariam Venezuela e Equador. Em 1849 formalizaram dois partidos políticos da atual Colombia: o Conservador (centro) e o Liberal (federal). Sem dúvida, instala a violência e o país é testemunha de ferozes rivalidades entre os partidos, derivando em 1899 em uma guerra civil conhecida como a Guerra dos Mil Dias. Os Estado Unidos da América fomentaram um movimento seccionista no Panamá e, em 1910, obtém sua independência.

Das Guerras Civis aos Nossos Dias

Depois de um período de relativa paz, em 1948 com o assassinato de Jorge Eliecer Gaitán, um líder liberal, o país funde-se em uma nova e terrível guerra civil, entre conservadores e liberais. Depois de alguns anos de enfrentamentos, os líderes dos partidos decidem respaldar um golpe militar como o melhor meio para conservar o poder e pacificar a área rural. O golpe de Estado realizado pelo General Gustavo Rojas Pinilla durou até 1957, quando os dois partidos firmam um pacto, aprovado em um plebiscito, com o nome de Frente Nacional, com que fixa a alternativa do poder cada 4 anos, nos próximos 16 anos. Esta frente chegou a seu fim em 1974, com a vitória de Afonso Lopes Michel, que resulta eleito.
As guerrilhas têm desempenhado um papel importante na história da Colombia. Suas origens encontram-se na violência dos anos 40 e 50. Exite uma dezena de guerrilhas, cada uma com sua própria ideologia e estratégia militar. Nos últimos anos tem-se feito esforços para pacificar áreas mais conflitivas e entre eles, destaca-se a conversão do grupo guerrilheiro M-19 em partido político. Outro fator que afeta seriamente a Colombia é a droga e os cartéis, constituido em poderosas máfias. Nos princípios dos anos 80, o governo inicia a acampanha contra o narcotráfico, dando lugar a uma violência desmedida, começando uma época de atentados dirigidos aos postos militares, políticos e civis. Nos últimos anos a situação melhorou consideravelmente, graças a queda dos cabeças de diferentes cartéis do país.

Breve História de Cartegena das Índias

A região do Caribe estava habitada pelos tayronas, um dos grupos mais desenvolvidos da época pré-colombiana. Depois de sua conquista, Pedro de Heredia, funda Cartegena das Índias em 1533. A cidade desempenhou, desde sues incios, um importante papel na época da colonia, ao ser o principal porto de embarque de ouro da América e a porta de entrada para o norte da América do Sul.
Cartegena funcionava como armazém dos tesouros da Coroa, até que os galeões espanhóis pudessem embarcar e regressar a Espanha. Isto converteu-na no principal objetivo de vandalos e piratas do Caribe. No século XVI depois dos ataques de Sir Francisco Drake e Robert Baal, a Coroa decidiu converter Cartagena em um lugar impenetrável, construindo grossas muralhas em torno da cidade, fortes e baluartes. A cidade converteu-se em uma formidável praça militar forte. Sem dúvidas, e, 1697 os franceses Points e Ducasse saquearam-na totalmente. O ataque mais violento foi dirigido por Dom Blas de Lezo, um espanhol da nobreza. Este estranho personagem perdeu sua perna esquerda na batalha de Gibraltar e seu olho esquerdo em Toulon,. Porém, a desgraça acompanhava-o. na Batalha de Barcelona, perderia seu braço direito. Apesar destas amputações, Blas de Lezo defendeu Cartagena de forma valente. Os ingleses convencidos de sua vitória, gravaram nas moedas a esfígie de Lezo rendido ante Vernon. Blas saiu vitorioso e morreu pouco tempo depois.
No século XIX Cartagena foi um dos primeiros povos a proclamar sua independência em 1810, porém teve que esperar até 1821 para alcançar sual libertação definitiva. Foi centro militar de Simon Bolivar, quem batizou-a como "A Heroína". Depois da independência, a cidade converteu-se, novamente em um importante centro marítimo. A prosperidade trouxe judeus, italianos, franceses, turcos, libaneses e sírios.
Nas últimas décadas Cartagena experimentou um crescimento importante, desenvolvendo-se grandes subúrbios. Hoje é o segundo porto em importância da Colombia e um grande centro industrial especializado em petroquímica. Sem dúvidas, o desenvolvimento das novas regiões turísticas e a velha Cartagena, mudaram muito pouco, graças a proteção das muralhas, fizeram de Cartagena uma das cidades mais belas de toda a América.

Fonte:  www.rumbo.com.br